Ir direto para menu de acessibilidade.
Brasil – Governo Federal | Acesso à informação
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

IFPA promove o Encontro dos CGIPE’s

Os egressos passam a fazer parte do planejamento com foco na formação continuada

  • Publicado: Segunda, 11 de Junho de 2018, 15h46
  • Última atualização em Segunda, 11 de Junho de 2018, 16h03
  • Acessos: 98
imagem sem descrição.

 

Entender que os estudantes de hoje podem, num futuro próximo, voltar à instituição para serem colaboradores em diversas atividades institucionais ou ainda possam ser atendidos com produtos e serviços com cursos de formação continuada e orientações para sua atuação profissional, entre outras ações específicas a quem já concluiu seu curso, é o primeiro passo para a sustentabilidade de uma instituição de ensino. Trata-se de um olhar estratégico ao considerar o aluno, como o futuro egresso, e os já formados em sua potencialidade de contribuição para o desenvolvimento e aprimoramento dos processos de formação profissional do Instituto.  Uma visão que possibilita a avaliação contínua das condições de oferta dos cursos, com vistas ao aprimoramento do processo de ensino-aprendizagem e, adicionalmente, integrar os ex-alunos às atividades de extensão e aos programas de pós-graduação.

A Pró-Reitoria de Extensão (Proex) do Instituto Federal do Pará (IFPA), por meio do Setor de Egressos e do Observatório do Trabalho do IFPA (SEOT), vem trabalhando para consolidar e aprimorar as ações da Política de Egressos aprovada em 2017. No último dia 25 de maio, a PROEX realizou o primeiro Encontro dos Comitês Gestores Internos de Atendimento aos Egressos (CGIPEs) do IFPA.

O evento aconteceu no Auditório do Centro de Tecnologias Educacionais e Educação a Distância (Cetead) localizado na sede da Reitoria na Av. João Paulo II. Com o intuito principal de articular ações entre os comitês e a Proex para o atendimento aos egressos nos campi do instituto, esta atividade buscou orientar, assessorar e acompanhar a efetivação da Política e do Programa de atendimento aos Egressos (ProEgressos) do IFPA, que se configura na atualidade como uma área de atuação ímpar da extensão para a Rede Federal de Educação Profissional.

Criado em setembro de 2015 pela Port. Nº 1.457, o SEOT é responsável por propor, desenvolver e acompanhar as políticas, ações e projetos que envolvam os egressos e sua inserção no universo profissional. O Encontro dos CGIPEs é uma estratégia para delimitar as ações, táticas operacionais, atividades e procedimentos institucionais sobre a área. O evento contou com uma extensa pauta: pesquisa institucional sobre egressos, considerando principalmente atualização de formulários, proposições de ajuste da metodologia para aplicação de pesquisas, assim como a apresentação do Portal de Egressos no Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (SIGAA) e a disponibilização de Dados gerais e por Campus dos antigos estudantes, juntamente com as orientações e discussões sobre planejamento e gestão dos CGIPEs, as deliberações sobre a metodologia de trabalho a ser desenvolvida e a agenda de gestão e extensionista dos comitês.

Na abertura do evento, o magnífico Reitor do IFPA, Prof. Dr. Claudio Alex Jorge da Rocha, fez uma retrospectiva das ações desenvolvidas para melhor atender os egressos. “Desde 2015, a partir de nossa gestão, começamos a trabalhar o fortalecimento do Observatório do Mundo do Trabalho. Começamos a fazer a coleta de dados já em 2016. Em junho de 2017, aprovamos a Política que regulamenta o procedimento de atendimento de nossos egressos. Também realizamos o I Encontro de Egressos do IFPA, no ano passado, no Campus Castanhal. O trabalho da Fernanda é muito importante, assim como todo o trabalho incansável da equipe da PROEX para a materialização dessas ações. Como a Reitoria não tem alunos e nem egressos, foi criado os comitês. Mas, para que os avanços ocorram, precisamos da participação efetiva dos Campi. Agradeço a compreensão e o engajamento de todos nessa missão tão importante”.

O Pró-Reitor do IFPA, Prof. M.Sc. Fabrício Medeiros Alho, ressaltou que os egressos têm muito a contribuir com o Instituto ao retornar para contar sua experiência no mercado de trabalho, mas, para este permanente diálogo com eles, é fundamental o trabalho efetivo dos CGIPEs nos campi. “O Comitê deve conscientizar os egressos do IFPA e no futuro poderão fazer novos cursos, participar de eventos e ter acesso a vagas de emprego. Cada Campus deve estimular o emprego dos discentes por meio de parcerias interinstitucionais, garantir informação sobre vagas e formação, para tanto é importante deixar os dados cadastrais dos discentes atualizados no SIGAA”, ressaltou.

Relatos e avaliação sobre o Encontro dos CGIPEs

A Coordenadora de Extensão do Campus Breves, Essia de Paula Romão, comenta que o Comitê de Egressos do IFPA em Breves conta com pelo menos 13 membros e foi instituído em dezembro de 2017. “Nós já conseguimos fazer a assembleia com os egressos para eleger um membro para participar do Condi. Já estamos fazendo reuniões ordinárias todo mês. Estamos planejando alguns eventos durante as semanas acadêmicas dos cursos – pretendemos realizar o encontro dos egressos por curso, por exemplo, durante a Semana Acadêmica de Informática, haverá o I Encontro de Egressos de Informática. A Coordenação de Extensão, juntamente com a Coordenação de Pesquisa, está planejando o Seminário de Pesquisa e Extensão do Campus, com espaço para todos os núcleos da Extensão, inclusive os egressos”, afirmou.

“Encontros como este são muito importantes, pois nestes momentos a gente interage e esclarece as dúvidas. A interação não é só entre os campi, mas dos campi com a Proex. Antes desse evento, nós tivemos uma reunião institucional com os presidentes dos CGIPEs cujo feedback trazemos hoje em forma de pauta aqui. Propomos um  formulário por meio do qual consigamos atender os três públicos dentro do ciclo avaliativo – acadêmico, profissional e social. Considerando que o egresso, após seis meses a um ano de conclusão do curso, está na fase acadêmica ainda. Diante disso, nosso Campus propôs aplicar um formulário a estes alunos para saber sobre a dimensão profissional. Àqueles que  já se formaram há mais de dois anos, o formulário seria sobre a dimensão profissional. E os egressos que já se formaram há mais de 3 anos estariam na dimensão social. Com um único formulário pretendemos abranger estes três públicos. Precisa ser um questionário inteligente, dependendo da data que você se formou será apresentadas perguntas para estas dimensões”, esclareceu a Profª Essia, sobre as iniciativas para atender da melhor forma os egressos no Campus de Breves.

“Essa política dos egressos é muito importante, não apenas para obter dados estatísticos sobre os egressos, mas para acompanhar nossa atuação e nos ver enquanto instituição, enquanto formadores de cidadãos. A Política de Egressos nos faz pensar no como estamos formando profissionais”, avalia Profª Essia.

O coordenador do CGIPEs campus Bragança, Prof. Sérgio Vieira, considera que o Encontro dos CGIPS foi muito importante. “É uma oportunidade para que se amplie o conhecimento sobre a Política de Atendimento ao Egresso do IFPA lançada no ano passado. Lá em Bragança, estamos sensibilizando os professores para participarem do Comitê. Hoje foi muito importante porque consegui subsídios para as ações no Campus. Trouxe como sugestão a ordem de lançamento entre portal e questionário, pois a meu ver deveria ser primeiro o questionário e só depois o portal. Outra sugestão, para despertar o interesse dos egressos em responder o formulário, que ele pudesse utilizar a biblioteca como antes no período em que era aluno”.

 

Proex avalia positivamente o encontro dos CGIPEs

O Pró-Reitor de Extensão, Fabrício Medeiros Alho, ressalta que esse é o 1º Encontro dos Comitês Gestores Internos de Atendimento aos Egressos dos campi do IFPA. “Entendemos, enquanto estratégia, que este momento é para sensibilizar a cada um dos membros quanto à importância do acompanhamento do egresso. É importante para definir estratégias e ações que irão demandar, nos próximos meses, por parte de cada campus essa aproximação com os ingressos. Este dia foi importante, também, pela discussão em torno do PPAE - Plano e o Planejamento de Acompanhamento e Atendimento ao Egresso. Tratamos do Portal dos Egressos que está sendo desenvolvido em conjunto com a DTI – apresentamos as funcionalidades que já estão sendo desenvolvidas e que vão possibilitar, não só o levantamento de dados dos nossos regressos, mas também, a divulgação de ofertas de emprego eventos e oportunidades. Contamos com a presença de 22 pessoas - de 13 campi-, e com a transmissão ao vivo. Entendemos este evento como um marco, muito produtivo no acompanhamento dos egressos por parte do IFPA. A política tinha sido aprovada no ano passado, mas não tínhamos ainda realizado nenhum encontro. Agora, nós temos diversos encaminhamentos. Precisamos voltar e articular com o gestor de cada Unidade Escolar, com seu Diretor Geral e o Diretor da Extensão, essas ações para posteriormente apresentar esse Plano de atendimento à Pró-reitoria de Extensão. No evento, algumas ações integradas também foram pensadas para serem realizadas no segundo semestre, mas ainda precisarão ser articuladas com os campi para que elas sejam realizadas”, explica.

Sobre o novo olhar que os servidores, em especial os professores, precisam ter para com os alunos, o Pró-Reitor acredita que se trata de uma visão estratégica para o desenvolvimento do Instituto. “Não só enquanto gestor, mas como o professor do IFPA, entendo que é preciso ter uma visão de que o nosso aluno é um termômetro para instituição, para o professor, em função de toda a formação acadêmica e formação cidadã que ele teve. No momento em que este aluno vai para o mercado de trabalho, quando ele vai aplicar toda essa formação que ele obteve aqui, é que ele vai  nos dizer se estamos seguindo o caminho certo. Seja nas estratégias de ensino, pesquisa e extensão adotadas na Instituição, seja nos cursos que estamos ofertando. Então, agora, além de ser esse termômetro, ele também passa a ser uma via de mão dupla, contribuindo para a Instituição. Trazendo a experiência que obtém no mercado de trabalho. Essa contribuição precisa ser fomentada. Ela precisa ser estimulada.  Com essa Política, a Instituição cria condições para o egresso participar da vida acadêmica do nosso aluno desde o início.  Por que não promover, no momento em que uma turma ingressa no IFPA, uma palestra com egressos? É uma oportunidade para que o Egresso conte a trajetória dele ao longo do curso, sobre as oportunidades que ele teve dentro da instituição nas três áreas finalísticas. Que relate a contribuição que a Instituição deu a ele enquanto profissional e cidadão. Apresentar o que ele agora está podendo dar de retorno à instituição, ao trazer também o conhecimento adquirido. Podendo participar de palestras, cursos que poderá ofertar aos alunos da instituição. Então a gente têm muitas perspectivas no momento em que faz essa aproximação com o egresso”, ressalta o Pró-Reitor de Extensão.

Responsável pelo Setor de Egressos e Observatório do Trabalho, a pedagoga M.Sc. Fernanda Cristina Corrêa Lima Coimbra, considera que o evento atendeu ao propósito que era ouvir os gestores identificando suas expectativas, saber o que eles já fazem e sugerir o que eles podem fazer. “Com nosso trabalho, a gente conseguiu mobilizar para participação dos egressos em diversas atividades externas e institucionais, como no recente processo de visita in loco da comissão de avaliação institucional do MEC. O que contribuiu, por exemplo, para uma avaliação positiva do Instituto, pois colaborou para o saneamento de algumas pendências sobre este assunto e, o consequente, o aumento de nossa nota na avaliação institucional. Um dos itens críticos na avaliação anterior do MEC era a falta de uma política para os egressos. Na primeira avaliação não tínhamos ainda os Comitês... ainda estávamos iniciando a estruturação dos trabalhos. Quando a avaliação do IFPA deste ano chegou, nós já tínhamos aprovado a Política e o ProEgressos em que estão estabelecidos os procedimentos para a criação dos Comitês”, exemplificou a coordenadora.

“A Política de Egressos ajudou na avaliação e a conquistar a nota 4. Mais, do que isto, ajudou e está ajudando nessa mudança de cultura, na percepção de que eu preciso entender o sujeito que eu atendo e dar continuidade a esse atendimento. Ajuda o aluno a entender que não é porque ele está formado que ele não pode mais fazer nada conosco. O estudante percebe que existe potencial muito grande para ele continuar estudando na instituição após sua formação, na busca por capacitação”, faz questão de esclarecer a Chefa do Setor.

 

Quantos CGIPEs têm o IFPA? Como criar o CGIPE?

“Somos nove CEGIPEs com Portaria: Abaetetuba, Avançado de Vigia, Breves, Cametá, Conceição do Araguaia, Marabá Industrial, Marabá Rural, Parauapebas, Santarém e Tucuruí. Sem dúvidas, o CEGIPE do Campus Breves é o mais ativo, pela interlocução do trabalho que desenvolvem lá, pelo feedback que eles dão para a gente, pelas contribuições com as experimentações que nos ajudam a formular as diretrizes e as políticas institucionais dessa área. Os demais campi podem entrar em contato com os que já implantaram seus Comitês, para trocar ideias, mas é importante ler e seguir a Resolução CONSUP Nº 328 de 2017 que,  entre outras ações, estabelece a criação dos Comitê de Atendimento aos Egressos em todos os campi. Este documento especifica, por exemplo, a composição e a quantidade mínima de membros do CGIPE e indica as principais atividades a serem desenvolvidas pelos campi.

"De acordo com as especificidades de cada campus, é necessário haver representantes das coordenações dos cursos técnicos, de graduação e de pós-graduação, além de pelo menos um representante dos egressos, da Comissão Permanente de Avaliação (CPA) e do Gestor de Extensão, na condição nata de presidente do Comitê”, esclareceu Fernanda Lima.

A criação do Comitê é imediata, o Coordenador de Extensão faz a indicação e o Diretor Geral do Campus publica a portaria. Depois de constituído o comitê, basta informar à Proex. “Na sequência basta começar a articular as ações voltadas aos Egressos, embora seja responsabilidade do gestor de extensão encaminhar os trabalhos, no caso das unidades acadêmicas que ainda não criaram seus CGIPEs. O desenvolvimento das ações e atividades sobre o atendimento dos egressos do IFPA apontam para a necessidade de ampliar a aproximação do IFPA com a sociedade, em especial àqueles que nele foram formados. Os desafios apontados no evento estão apenas começando, mas já demonstram a valorização de um potencial a ser motivado em prol da excelência e da qualidade da educação profissional ofertado pela Instituição”, conclui.

 

 Texto: ASCOM IFPA Reitoria

registrado em:
Fim do conteúdo da página