Ir direto para menu de acessibilidade.
Brasil – Governo Federal | Acesso à informação
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

IFPA é finalista na Feira Brasileira de Jovens Cientistas

Campus Ananindeua e Marabá Industrial apresentam projetos na área de Engenharia

 

  • Publicado: Segunda, 22 de Junho de 2020, 22h05
  • Última atualização em Segunda, 22 de Junho de 2020, 22h17
  • Acessos: 802
imagem sem descrição.

 

      O Instituto Federal do Pará (IFPA) chegou à final na Feira Brasileira de Jovens Cientistas (FBJC) 2020. Está concorrendo com os projetos  “Protótipo de óculos para deficientes visuais” e “Desenvolvimento de braço robótico controlado por Arduíno como aplicação de estratégia para o ensino interdisciplinar e inovação tecnológica”. As inovações vêm dos campi Ananindeua e Marabá Industrial. Serão avaliados pela comissão técnica do evento e pelo voto popular. 

      São pelo menos 300 projetos nesta etapa final da competição. A FBJC 2020 é totalmente on-line e corre nos dias 26 a 28 de junho. Envolve 8 categorias: Ciências Exatas e da Terra; Ciências Biológicas; Engenharias; Ciências da Saúde; Ciências Agrárias; Ciências Sociais Aplicadas; Ciências Humanas; e Linguística, Letras e Artes. Os dois projetos do IFPA foram inscritos na área de Engenharia. 

      O Campus Ananindeua apresentou um par de óculos com sensores ultrassônicos no lugar das lentes, de baixo custo, feito com estrutura de miriti para ficar leve, composto por circuito formado por buzzers e vibracall, e uma plataforma Arduíno. Os inventores são estudantes do curso Técnico integrado em Informática, Ana Beatriz Mota Soares, Davi dos Santos Ferreira e Christian Nascimento da Silva Ferreira. Eles foram orientados pelo professor Messias de Nazaré Guimarães Ferreira Júnior. A invenção possibilitou o aprendizado dos conceitos básicos de eletrônica, programação e arquitetura funcional. Para melhor conhecer o projeto, ver o vídeo e votar, acesse: https://fbjc.com.br/mostraDetalhes.php?projeto=450 

      O Campus Marabá Industrial apresentou um braço robótico, buscando provar que o ensino de programação computacional e robótica pode e deve ser trabalhados na educação básica com o objetivo de ajudar os estudantes a se familiarizar com este universo de forma lógica e criativa. A ideia é semelhante ao do Campus Ananindeua, usar Arduíno como estratégia para o ensino de desenvolvimento de tecnologias. A inovação foi desenvolvida pelos estudantes do curso Técnico integrado em Eletromecânica que atuam em projetos de extensão no Laboratório de Automação Industrial do Campus. Os inventores Marcus Feitosa Russi e Sofia Pantoja Araújo foram orientados pelo professor Israel Peixoto Moraes. Para saber mais sobre o projeto, ver o vídeo e votar, acesse: https://fbjc.com.br/mostraDetalhes.php?projeto=448

 

Saiba mais sobre a FBJC 2020: https://fbjc.com.br/

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página